Amazonas vive segunda onda da covid, diz UnB

Amazonas vive segunda onda da covid, diz UnB
Foto: Felipe Dana/AP

Pesquisadores da UnB (Universidade de Brasília) e de outras instituições do país atestaram que o Amazonas já vive a segunda onda do coronavírus (covid-19). Nas mesmas pesquisas aparece também a maioria dos estados na segunda onda. O resultado saiu nesta nesta terça (24).

De acordo com o estudo “Situação da pandemia de covid-19 no Brasil”, no Amazonas 28% da população foi contaminada. O percentual também inclui os casos assintomáticos. 

Os pesquisadores concluem ainda que todos os estados estão longe de alcançar uma possível imunidade de rebanho. Portanto, para atingir a esse estágio, entre 60% e 70% da população teria que estar infectada. 

“Permitir que a pandemia se alastre até atingir a imunidade de rebanho implicaria número de mortes muito maior do que o já observado até hoje, com uma forte saturação do sistema de saúde, que por sua vez aumentaria ainda mais o número de mortes”, dizem os pesquisadores no documento. 

De acordo com eles, a situação no Brasil se deteriorou fortemente nas últimas duas semanas. Por isso, o início de uma segunda onda de crescimento de casos já é evidente em quase todos os estados.

Dessa forma, o cenário é particularmente preocupante nas regiões mais populosas do país. 

O quadro se agravou, contudo, não só pela queda dos níveis de isolamento social, mas também pela ausência de campanhas de esclarecimento. Contribuiu para esse quadro, entretanto, a falsa sensação de segurança disseminada na população. 

“O quadro é particularmente preocupante, pois esperam dificuldades em adotar medidas mais duras de mitigação da pandemia”, alertam. E sugerem: “O fechamento de atividades não essenciais, única arma efetiva até uma vacinação em massa da população do país”. 

Novos casos 

Nos últimos sete dias, o Amazonas registrou 100 novos casos para cada 100 mil habitantes, considerado um número alto. A pior situação é a de Santa Catarina, que atingiu 422 casos. 

O dado mais explicativo é a relação do número de mortes para milhão de habitantes. Os maiores índices, no entanto, estão no Distrito Federal (1.282), Rio de Janeiro (1.273), Roraima (1.189). Mato Grosso (1.157) e Amazonas (1.153). 

“No Brasil como um todo temos 793 mortos por milhão, estando ainda iniciando a segunda onda”, diz o estudo. 

Para se ter uma ideia, nos países que enfrentam a segunda onda a relação começa com os Estados Unidos (791 mortes/milhão) e França (746 mortes/milhão). Em seguida vêm Alemanha (170 mortes/milhão), Espanha (911 mortes/milhão) e Israel (304 mortes por milhão).

*BNC